sexta-feira, 1 de julho de 2011

A piscina e o “novo” Xavier

Recordo que, desde fevereiro sou eu que acompanho o Xavier nas aulas de natação, inclusive quem não se lembra do episódio de histerismo que ele fez quando se apercebeu que seria eu a fazê-lo e não o pai…!

Mas voltando ao que interessa, passado um mês, ou seja, em março o meu filho simplesmente já não era a mesma criança, aquela que embora gostasse da piscina sentia-se receosa e suplicava para não fazer alguns exercícios principalmente os que tivessem a ver com o “chouriço”.

Obstinada como sou, e dentro do razoável, nunca cedi às suas birras e isso foi FULCRAL para a sua evolução.

Por exemplo, no dia em que ele se habituou ao “chouriço” e começou a passear nele sozinho, inclusivamente pediu para eu me afastar, fiquei bo-qui-a-ber-ta!

No início de junho começou o desmame do acompanhamento das crianças, que passaram a ir sem os pais para a água, mas nós decidimos mantermo-nos no mesmo nível.

Como eu disse ao professor A., apesar de enorme pulo que ele deu, preferimos ficar e “amanhã” avançar, se for esse o caso, do que o contrário e correr mal até porque não temos a mínima pretensão que o Xavier se torne no próximo Michael Phelps.

Desde então, passámos a ir duas vezes por semana e agora entendo bem quando o professor dizia que o facto do Xavier estar sete dias sem ir à piscina fazia toda a diferença porque ele agora, que ganhou confiança, parece um peixe na água!

Ainda que todas as crianças tenham em comum a questão do seu "timing" e das birras, cada uma reage de forma diferente na mesma situação por isso o importante é mantermo-nos coerentes, sem ceder a birras, e deixá-los ganhar confiança... a seu tempo lá “aparecerá” a volta de 180 graus (o:

3 comentários:

mãe pimpolha disse...

Não sei quando o meu começará a ir sozinho, mas tb sei que me vai custar.
Beiocas

Barriguita disse...

Boa, Xavier!
cada um tem o seu ritmo, para tudo. acho que o importante é não forçar.

quanto a nós, já sabes que a questão passou por ir 1.º com o pai ( que não o estimulava) e depois por uma grande falta de empatia com o professor - que fazia as aulas para os mais avançados e não para os que mostravam menos "aptidão", como o caso do meu.
em Setembro recomeçaremos... tentaremos 2 vezes por semana, sem pais, e veremos como ele reage. tenho falado com professores de natação e todos me sossegam e dizem que o pior é forçar agora... ele anda com confiança na água, mas o pior são mesmo os mergulhos (coisa que o prof. A. insistia e ele ganhou "trauma"). Como dizes, não queremos que ele seja um nadador profissional, mas com tempo aprenderá o básico, espero eu.

Tenho pena é de não vos ter como companheiras de piscina, sempre dava para pôr a conversa em dia semanalmente, mas acho que optaremos por outra piscina.
Beijocas

SarDi disse...

Não podia estar mais de acordo. Cada um com o seu timing, forçar é que não porque essa via é muito pior.

Beijocas